Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

A semana na piauí #209

  questões do aprisionamento digital Braços inteiros, mentes quebradas Um adolescente americano é menos propenso a fraturar os ossos que alguém de sua idade quinze anos atrás. Embora possa parecer bom, isso indica que eles estão mais isolados, grudados no celular. Leia  aqui TANIA MENAI anais do cala-boca Assédio judicial contra jornalistas se agrava no Brasil Há 654 ações em curso contra jornalistas que podem ser caracterizadas como assédio judicial, segundo levantamento da Abraji. O Brasil está entre os países que mais hostilizam profissionais da imprensa na Justiça. Confira  aqui . ALLAN DE ABREU questões de vida e morte Por um último e sereno suspiro A  edição de abril  da  piauí  conta como  Ana Claudia Arantes se tornou uma das principais vozes em defesa dos cuidados paliativos  no Brasil. Seu trabalho é esclarecer como se pode vivenciar a morte da maneira mais confortável e digna possível. ANGÉLICA SANTA CRUZ anais do futebol O homem que descobriu Endrick. Pelo WhatsApp Em 2016,

O TRIDIMENSIONAL NO ACERVO DO MAC: UMA ANTOLOGIA


Carmela Gross, 'A Negra', 1997

O Tridimensional no Acervo do MAC: Uma Antologia

A partir de 28 de Janeiro
MAC USP Nova Sede
Entrada Gratuita
No próximo dia 28 de janeiro o Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura, entrega à Universidade de São Paulo o conjunto arquitetônico composto por dois edifícios projetados por Oscar Niemeyer no Parque do Ibirapuera. Ocupado pelo DETRAN até 2009, o complexo foi reformado para receber o Museu de Arte Contemporânea da USP. Além disso, outros dois edifícios foram construídos especialmente para abrigar o Museu. A ocupação, no entanto, se dará de forma paulatina ao longo de 2012, dando início às comemorações dos 50 anos do Museu a serem completados em abril de 2013.
Na abertura para o público no dia seguinte, 29 de janeiro, o edifício principal recebe a mostra O Tridimensional no Acervo do MAC: Uma Antologia . Embora concisa - a exposição com dezoito obras ocupa apenas o térreo do edifício - a mostra apresenta a crise que atravessam as artes visuais, sobretudo a partir do final da Segunda Guerra, focando sua atenção no esfacelamento do conceito tradicional da escultura ocorrido nas últimas décadas. Apresentando alguns dados e sublinhando parâmetros que ajudam a compreender a complexidade da arte entre os anos 1940 e o final dos anos 1990, a exposição dá o tom de como o MAC USP pretende propor a série de mostras que, no decorrer dos próximos meses, complementará a implantação do Museu neste novo espaço. As balizas do MAC USP para tal empreendimento são as próprias obras que compõem seu acervo.
A implantação gradual permitirá equipar o Museu dentro das normas museográficas e, ao mesmo tempo, levará ao público a mensagem de que a inauguração de mais uma sede para um museu não deve ser encarada apenas como mais um evento da agenda artística/cultural da cidade. O MAC USP - um museu de arte contemporânea pertencente a uma universidade pública - não deve ser confundido com mais um centro de consumo cultural. Por meio dos estudos que realiza em seus acervos de obras e documentos, o MAC USP desenvolve trabalhos para a ampliação do conhecimento, e suas exposições - que passam a ser apresentadas também nesse novo espaço - deverão intensificar o compromisso do Museu com a necessidade de estender o conhecimento por ele produzido para um público mais amplo.
A exposição apresenta trabalhos dos seguintes artistas: Frida Baranek, Eduardo Climachauska e Paulo Climachauska, Sérvulo Esmeraldo, Carlos Fajardo , Carmela Gross , Liuba Wolf, Maria Martins, Cildo Meireles, Henry Moore, Ernesto Neto, Gustavo Rezende, Chihiro Shimotani, François Stahly, Sofu Teshigahara, Ângelo Venosa, Ales Villegas, Franz Weissmann e Haruhiko Yasuda.

Comentários