Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de maio, 2017

POSTAGEM EM DESTAQUE

O HUMOR EMPURRÃO QUE FALTAVA!

VISUAL ARTV - CIA SANSACROMA - 8º CIRCUITO VOZES DO CORPO

VISUAL ARTV - ​Cia. Sansacroma realiza 8º Circuito Vozes do Corpo, mostra de danças contemporâneas na periferia de SP, de 23 de maio a 03 de junho

​​​ ​ Cia. Sansacroma realiza 8º Circuito Vozes do Corpo, mostra de danças contemporâneas na periferia de SP, de 23 de maio a 03 de junho Edição 2017 do Circuito contará com 30 apresentações, entre companhias de dança, artistas solo, coletivos artísticos, workshops e rodas de conversa em 10 dias de evento sem nenhum subsidio para sua realização. Toda a programação acontece na Casa Popular de Cultura M Boi Mirim, na zona Sul da capital.  De 23 de maio a 03 de junho de 2017, a Cia Sansacroma realiza a 8ª edição do Circuito Vozes do Corpo, mostra de danças contemporâneas que este ano reúne em dez dias de evento 30 apresentações diversas entre companhias de dança, coletivos artísticos, artistas solo, rodas de conversa e workshops. Toda a programação este ano acontece na Casa Popular de Cultura M Boi Mirim, na zona Sul da capital. Com a realização do evento este ano, o Circuito Vozes do Corpo mantém-se firme resistindo às marés como na prática do surfista, ao se

VISUAL ARTV - A partir da intervenção de Taylor, “Porque Somos Mutantes”

                           Hoje, 28 de maio (domingo), 19h, no Ka sulo – Espaço de Cultura e Arte,  rola a última apresentação de “Porque somos mutantes”, o mais recente trabalho da Cia Fragmento de Dança, inspirado na obra do escultor e fotógrafo britânico Jason deCaires Taylor, que cria esculturas e as submerge no mar, formando uma espécie de museu submarino que a natureza se encarrega de modificar, dia após dia.                                                                                                                                                                                                 Foto Leo Lin A partir da intervenção de Taylor, “Porque Somos Mutantes” busca um corpo atravessado pela angústia e aceitação de sua impermanência. Ao refletir sobre ações que independem da nossa vontade, a Cia propõe, neste trabalho, discutir processos inevitáveis de transformação em que perdemos o registro do que somos, seja em situações degenerativas, como no Mal de A