Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de fevereiro, 2018

POSTAGEM EM DESTAQUE

Apresentamos a equipe conceitual da 36ª Bienal de São Paulo

          36ª bienal       de  São Paulo Visualizar como  página web Ministério da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas, Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo e Itaú apresentam Conheça a equipe que levará a cabo a 36ª Bienal de São Paulo Da esquerda para a direita, Keyna Eleison, Anna Roberta Goetz, Bonaventure Soh Bejeng Ndikung, Alya Sebti, Thiago de Paula Souza e Henriette Gallus, equipe conceitual da 36ª Bienal de São Paulo © Fundação Bienal de São Paulo Enquanto a 35ª Bienal segue seu ciclo de itinerância, a Fundação Bienal já se prepara para a próxima edição da mostra. A equipe conceitual, montada por  Bonaventure Soh Bejeng Ndikung , é composta pelos cocuradores  Alya Sebti ,  Anna Roberta Goetz  e  Thiago de Paula Souza , a cocuradora at large  Keyna Eleison  e a consultora de comunicação e estratégia  Henriette Gallus . Ainda neste ano, serão anunciados novos membros da e

VISUAL ARTV - Inbox Cultural - É como Diz o Ditado ...

É como Diz o Ditado ... Isabel e Joaquim são um casal de circenses. Ela, a mulher barbada e cigana. Ele, o versátil palhaço Coriza. Os dois, antigos artistas do grandioso Circo Vital. Um dia depois do casamento, por uma falha, o casal acorda e o circo não está mais lá. Abandonados, os dois descobrirão uma nova forma de viver com muita criatividade.  A narrativa passeia pelos ditados populares, tão presentes no nosso cotidiano, mas que muitas vezes nós nem nos damos conta de como eles resumem nossas situações mais corriqueiras. Assim, entrando numa saga repleta de aventura e emoção, os dois personagens vão nos mostrando suas histórias com muito humor, fazendo com que o público se identifique logo de cara. A concepção de cenário e sonoplastia também tem a cara do artista popular, aquele que vive no improviso. Com uma cortina pendurada num varal, e alguns e adereços, a cigana e o palhaço conseguem expandir os limites da imaginação, gerando interesse aos olhos dos p

MAC USP - DIÁRIOS DE CHEIROS: TETO DE VIDRO, por Josely Carvalho

DIÁRIOS DE CHEIROS: TETO DE VIDRO, por Josely Carvalho Uma experiência Olfativa Abertura: 3 de março, sábado, às 11 horas Visitação: de 3 de março a 6 de maio de 2018 Instalação | Escultura | Fotografia | Vídeo O Museu de Arte Contemporânea da USP, apresenta a partir de 3 de março, sábado, às 11h, a exposição  Diários de Cheiros:   Teto de Vidro  da artista radicada em Nova York, Josely Carvalho. A mostra é um desdobramento do  Diário de Imagens  que compreende a sua obra desde 1970, e se apresenta de forma multimídia , incorporando uma infinidade de suportes, do desenho e objeto, às instalações olfativas do presente. Nesta exposição,  o olfato, nosso primeiro sentido, torna-se o veículo de resgate da memória individual e coletiva. A mostra consta de duas instalações, sendo a primeira  Estilhaços,  taças de vinho que se quebradas que contêm as memórias olfativas. Delas foram elaborados seis cheiros:  Prazer, Ilusão, Persistência, Vazio, Ausência  e do  Afeti

VISUAL ARTV -GALERIA VILANOVA ABRE 2018 COM INDIVIDUAL DE JORGE FEITOSA

GALERIA VILANOVA ABRE 2018 COM INDIVIDUAL DE JORGE FEITOSA   "Lágrimas de Ouro"  explora  uma reflexão sobre a memória do corpo, revelando imagens criadas a partir de um profundo mergulho no subconsciente do artista       A  Galeria VilaNova  inicia seu calendário expositivo de 2018 com “ Lágrimas de Ouro ", do artista visual  Jorge Feitosa , sob curadoria de  Bianca Boeckel . Por meio de doze fotografias ,   oito objetos/esculturas, dois vídeos-performance, uma instalação   e um painel  formado por  vinte imagens, a mostra apresenta um  mergulho nas emoções mais íntimas do artista e propõe reflexão sobre a memória do corpo, trazendo a tona questões como deslocamento, identidade e morte.   " Nasci em Porto Velho (RO) e me mudei para São Paulo ainda adolescente. Desde pequeno, quando saía com meu pai, costumava ficar sempre olhando para o lado de fora do carro para não perder nada do que se passava, e são algumas dessas imag