Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

Apresentamos a equipe conceitual da 36ª Bienal de São Paulo

          36ª bienal       de  São Paulo Visualizar como  página web Ministério da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas, Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo e Itaú apresentam Conheça a equipe que levará a cabo a 36ª Bienal de São Paulo Da esquerda para a direita, Keyna Eleison, Anna Roberta Goetz, Bonaventure Soh Bejeng Ndikung, Alya Sebti, Thiago de Paula Souza e Henriette Gallus, equipe conceitual da 36ª Bienal de São Paulo © Fundação Bienal de São Paulo Enquanto a 35ª Bienal segue seu ciclo de itinerância, a Fundação Bienal já se prepara para a próxima edição da mostra. A equipe conceitual, montada por  Bonaventure Soh Bejeng Ndikung , é composta pelos cocuradores  Alya Sebti ,  Anna Roberta Goetz  e  Thiago de Paula Souza , a cocuradora at large  Keyna Eleison  e a consultora de comunicação e estratégia  Henriette Gallus . Ainda neste ano, serão anunciados novos membros da e

MENDES WOOD DM - Screenings fim de semana Luiz Roque



Screenings fim de semana


Luiz Roque

Para o episódio desta semana da revista Weekend Screenings, Mendes Madeira DM é o orgulho de apresentar HEAVEN (2016)   e   Branca Ano (2013), de Luiz Roque. Ambos os filmes respectivamente produzidos e apresentados pelo 32a Bienal de São Paulo e a 9a. Bienal do Mercosul.


CÉU de 2016
vídeo, 8 minutos

Situado no ano 2080, uma cepa agressiva de mononucleose (vulgarmente conhecido como Mono) se espalha em todo o mundo principalmente afetam a comunidade transexual. Não é por coincidência que a narrativa acontece 100 anos depois de 1980, uma década devastadoramente atormentado pela epidemia da SIDA.

comentários “Céu” no controle do estado tem sobre os corpos das pessoas, em uma condição em que as fronteiras burocráticas levar a uma dissociação violenta entre a vida biológica e existência política. Atraídos pelo poder da imagem, e pelas sensações que ele evoca, Roque combina ficção científica com linguagem cinematográfica para explorar as tensões comuns da vida cotidiana.


Acesse o link vimeo: https://vimeo.com/198229353
Este filme está disponível para as próximas 48 horas. * já disponível
        Clique em cima da imagem abaixo

Luiz Roque, CÉU, Tramway, Glasgow, 2017 (Foto: Keith Hunter)



"Ficção científica é um campo em que você pode imaginar diferentes tipos de mundos e assim faz arte. Talvez o meu interesse no gênero é por causa da liberdade que você tem que pensar sobre as coisas, quero dizer, você pode começar com um pequeno fragmento da realidade e explodi-la." - Luiz Roque

Branco Ano de 2013
vídeo, 6 minutos

Set na virada de 2030, “White Ano” abre-se para uma palestra / performance pelo filósofo Beatriz Preciado sobre como gênero e sexualidade estão se tornando politizado em um mundo cada vez mais agressivo cheio de tensão e tumultos. A voz metálica anuncia que "transexualismo CID 10 F64" será removido da lista de doenças da Organização Mundial de Saúde, e nós assistir a um paciente transexual que está sendo examinado por um robô no que parece ser uma clínica pública. Como os procedimentos relacionados com a mudança de sexo e identidade de gênero devem ser migrados para a clínicas médicas, um momento histórico de autonomia radical do corpo surge conhecido como 'Branca Ano'.

Acesse no vímeo o link: https://vimeo.com/74988089
Este filme está disponível para as próximas 48 horas. *  Já disponível


Roque reflete sobre as possibilidades distópicos, explorando as idéias falhas do progresso científico, estético e político. sonances temporais do artista provocar uma reflexão sobre o corpo e imagem em si, mas também os limites desses órgãos. Embora considerando a responsabilidade de formas como ponto de partida para a leitura do desconhecido, cenas ofertas Roque cinematográficas que evocam o movimento modernista, o corpo como uma declaração política e deslocamento temporal. Essas cenas são cheias de confrontar as imagens que são compostas de rigor estético.
        
         Clique em cima da imagem abaixo


Atraídos pelo poder da imagem e, em particular, por sensações que resultam do sentido da visão, o trabalho de Luiz Roque atravessa territórios diferentes, tais como o gênero de ficção científica, o legado do modernismo, cultura pop e queer bio-política, a fim de compreender a propor narrativas engenhosas e visualmente sensuais. A plasticidade das alegorias que ele usa em seus filmes nos leva através do atual conflito entre avanço tecnológico e micro contemporânea e as relações de poder macro.

As obras de Roque habitam um espaço entre cinema, arte e teoria crítica; tudo dentro do escopo de uma disputa política que é real e imaginário. Além disso, suas obras comentar sobre as condições de dissociação de ser: entre a latência de vida e respectivas definições burocráticas. Neste sentido, as suas obras combinam o esplendor da ficção científica - como um dispositivo para a divulgação de hipóteses - com recursos da linguagem do cinema, a fim de nos apresentar cenários de tensão social e debates públicos complexos.

Luiz Roque (Cachoeira do Sul, Brasil, 1979). Vive e trabalha em São Paulo.

Exposições recentes de solo incluem República (CAC Passerelle, Brest, 2020) Televisão (MAC Niterói, Rio de Janeiro, 2018), HEAVEN (Tramway, Glasgow, 2017), The Years Moderna (Mendes Madeira DM, Bruxelas, 2017) e Ancestral (CCSP ., São Paulo (2016) As suas obras foram incluídas em vários programas institucionais como primeira Riga Bienal (2018), Avenida Paulista (MASP, São Paulo, 2017), 32th São Bienal Paulo (2016), Mark Leckey: Contentores e seus condutores (MoMA PS1, New York, 2016), The Crab Violeta (DRAF, Londres, 2015), o efeito Brancusi, (Kunsthalle, Viena, 2014), 9ª Bienal Bienal do Mercosul, Porto Alegre (2013) e amor e ódio a Lygia Clark (Zacheta Galeria Nacional de Arte, Warsow, 2013).
São Paulo
Bruxelas
Nova york

Facebook / Instagram
Copyright © 2020 Mendes Madeira DM, Todos os direitos reservados.
atualizar suas preferências
cancelar a assinatura desta lista

Comentários