Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

A semana na piauí #209

  questões do aprisionamento digital Braços inteiros, mentes quebradas Um adolescente americano é menos propenso a fraturar os ossos que alguém de sua idade quinze anos atrás. Embora possa parecer bom, isso indica que eles estão mais isolados, grudados no celular. Leia  aqui TANIA MENAI anais do cala-boca Assédio judicial contra jornalistas se agrava no Brasil Há 654 ações em curso contra jornalistas que podem ser caracterizadas como assédio judicial, segundo levantamento da Abraji. O Brasil está entre os países que mais hostilizam profissionais da imprensa na Justiça. Confira  aqui . ALLAN DE ABREU questões de vida e morte Por um último e sereno suspiro A  edição de abril  da  piauí  conta como  Ana Claudia Arantes se tornou uma das principais vozes em defesa dos cuidados paliativos  no Brasil. Seu trabalho é esclarecer como se pode vivenciar a morte da maneira mais confortável e digna possível. ANGÉLICA SANTA CRUZ anais do futebol O homem que descobriu Endrick. Pelo WhatsApp Em 2016,

VISUAL ARTV - “Especial CRD na Rua” leva performances ao centro da cidade




 “Especial CRD na Rua” leva performances ao centro da cidade 

Em abril, o Centro de Referência da Dança programou o “Especial CRD na Rua”, trazendo 14 intervenções urbanas, de sete trabalhos que se revezam em apresentações durante todo o mês, de quarta a sexta, às 16h30, e aos sábados, às 14h30, nos espaços públicos do seu entorno – Praça Ramos e Azevedo, Vale do Anhangabau e arredores.
A programação começa no dia 4 (quarta-feira), com ‘Yebo’, trabalho dGumboot Dance Brasil, que aborda a exploração das minas e dos sete povos levados para extração de minério, na África do Sul, a partir de batidas das botas de borracha.  Com direção de Rubens de Oliveira e direção musical de Lenna Bahule, que também integram o elenco composto por 11 bailarinos, o grupo reapresenta a intervenção todas as quartas-feiras (dias 11, 18 e 25/4).

                                                                                 Foto Marcia Milano (Yebo -Gumboot Dance)

No dia 5 (quinta-feira), Val Souza faz a sua imersão sonora, imagética, sensorial e gustativa Can you see it?’, que discute o corpo negro e o lugar de constante objetificação. Tendo seu corpo como motriz criadora e cenário principal, Val Souza desenvolve as potencialidades periféricas acompanhada por trilha sonora de Tico, fundamentada no funk e no pagode baiano, populares principalmente nas extremidades das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. A luz é de Paula Casemiro

                                                                     Foto Alberto Rocha (Can you see it) 
Na quinta do dia 12, Sol Ayo Bentto dança suas mulheres ancestrais, corporificando cantos, encantos, memórias subjetivas, universais, espirituais e marcas que atravessam o tempo, em ‘Lilá, a Travessia’. O trabalho contou com orientação de Barbara Freitas  na pesquisa corporal. A trilha musical é de Jerona RuyceRafael Araújo  responde pela iluminação e Caroline Santis assina o figurino.
                                                                                                                    Foto Marina Sales (Lilá) 
‘Mar’ e ‘Celeste’ são performances coreográficas concebidas por Marina Guzzo, apresentadas, respectivamente, às sextas (dias 13, 20 e 27/4), e sábados (14, 21 e 28/4). ‘Mar’ é um jogo coreográfico entre o espaço, o vento, as pessoas e um grande manto prateado extremamente frágil – feito com a união de capas térmicas de resgate – que serve como dispositivo para sete intérpretes criarem brincadeiras, travessias e utopias, num planeta em degradação.
                                                                                                                     Foto Adilson Félix (Mar)


Em ‘Celeste’, o encontro com um objeto - uma pedra - impulsiona um único gesto - o salto -, para criar um campo de interesse, onde o corpo em movimento pode propor ações políticas na cidade e na natureza. Âncora do processo de criação, as pedras, como objetos e obstáculos, são ignição para a construção de um novo olhar a partir das adversidades, das condições de tempo e de espaço.
                                                                                                         Foto Adilson Félix (Celeste


As duas últimas quintas feiras ficam por conta do Coletivo Ana Maria Amarela. Dia 19/4, três intérpretes criadores do grupo – Diego Castro, Jessica Cavalcante e Letícia Santana – usam a imagem da noiva como emblema de uma família regida por preceitos morais, moralistas e moralizantes, para levantar questões de gênero e empoderamento das lutas LGBTQs, em ‘O que restou do branco’.
                                                                                                                                                                   Foto André Piranda (O que restou do branco) 
‘Marchas’, a performance do dia 26, dá sequência à mesma temática, trazendo noivas,  com seus corpos plurais e vidas singulares, que marcham, carnavalescas, fúnebres, nupciais, em meio ao caos urbano da cidade.

                                                                                                Foto André Piranda (Marchas) 
O Centro de Referência da Dança fica nos Baixos do Viaduto do Chá, ao lado do Theatro Municipal, na região central de São Paulo.
____________________________
Serviço:
“Especial CRD na Rua” - Intervenções urbanas no entorno do Centro de Referência da Dança
Dias 411, 18 e 25/4 (quartas-feiras), 16h30
‘Yebo’, com Grupo Gumboot Dance Brasil - Direção Rubens Oliveira
Duração: 50 minutos | Classificação indicativa: livre

Dia 5/4 (quinta-feira), 16h30
‘Can you see it?’, com Val Souza
Duração: 55 minutos | Classificação indicativa: livre

Dia 12/4 (quinta-feira), 16h30
‘Lilá, a Travessia’, com  Sol Ayo Bentto
Duração: 40 minutos | Classificação indicativa: livre

Dia 13, 20 e 27/4 (sexta-feira), 16h30
‘Mar’, direção Marina Guzzo
Duração: 50 minutos | Classificação indicativa: livre

 Dia 14, 21 e 28/4 (sábado), 14h30
‘Celeste’, direção Marina Guzzo
Duração: 50 minutos | Classificação indicativa: livre

Dia 19/4 (quinta-feira), 16h30
‘O que restou do branco’, com Coletivo Ana Maria Amarela
Duração: 40 minutos | Classificação indicativa: livre

Dia 26/4 (quinta-feira), às 16h30
‘Marchas’, com Coletivo Ana Maria Amarela
Duração 40 minutos I Classificação indicativa Livre

Centro de Referência da Dança
Baixos do Viaduto do Chá, s/n – ao lado do Theatro Municipal de São Paulo
Próximo às estações Anhangabaú, São Bento e República do metro.
Informações: 32143249 | 953013769

Programação completa:

 
Informações adicionais:
Elaine Calux
11 33689940 | 964655686
Coordenação de Comunicação CRDSP
(11) 3214 3249 / 9 8526 3528
  

Comentários